Treinamento Ministerial por Extensão

PROJETO INTEGRADOR.

O Projeto Integrador tem como objetivo proporcionar prática ao estudante do TIME. Este deverá organizar um projeto a ser executado nos encontros presencias. A ideia é experenciar todo arcabouço teórico que adquiriu ao longo do curso.

O Projeto Integrador será ministrado em duas disciplinas que pretendem ensinar aos estudantes métodos de construção e execução de projetos.

Os estudantes se organizarão em grupos e serão orientados pelo professor e tutores.

Orientações específicas serão produzidas pela equipe gestora e corpo docente do TIME.


“Evangelização é a apresentação de Jesus Cristo no poder do Espírito Santo, de tal maneira que os homens possam conhecê-lo como Salvador e servi-lo como Senhor, na comunhão da igreja e na vocação da vida comum". ( J. Edwin Orr [1912-1987], historiador e avivalista)
Esta matéria propõe-se a apresentar ao aluno uma introdução ao empenho evangelístico da igreja. Incluirá tanto uma discussão da teoria quanto da prática do evangelismo e abrangerá perspectivas bíblicas, teológicas, das ciências sociais e do próprio ministério da igreja.

OBJETIVOS DO CURSO: despertar em cada aluno a paixão por Missões, pela oração por povos não alcançados, pela Igreja perseguida. Que todos ao concluírem o curso sejam elementos de mobilização das Igrejas locais em Missões, quer como pastores ou obreiros. Que esses alunos saiam do curso, comprometidos com a divulgação do Evangelho

Evangelhos - Os quatro evangelhos registram a vida de Jesus, principalmente seus três anos como pregador itinerante, e a semana final em que foi crucificado. Sua ressurreição é considerada confirmação de sua reivindicação de ser o Messias/ "Filho de Deus" prometido.

Atos é a continuação do Evangelho de Lucas, a história de como os primeiros cristãos, principalmente Pedro e Paulo, difundiram as "boas novas" de Jesus entre judeus e gentios, chegando até a própria Roma.

Cartas Paulinas - Ler uma carta é como escutar a uma só das pessoas que tomam parte em uma conversação telefônica. De modo que quando lemos as cartas de Paulo frequentemente nos encontramos com uma dificuldade: não possuímos a carta que ele estava respondendo; não conhecemos totalmente as circunstâncias que estava enfrentando; só da carta podemos deduzir a situação que lhe deu origem. Sempre, ao ler estas cartas, nos apresenta um problema dobro: devemos compreender a carta, mas não a entenderemos se não captarmos a situação que a motivou. Devemos tratar continuamente de reconstruir a situação que nos esclareça carta.

Para compreender os escritos paulinos faz-se necessário calma e paciência, é impossível entendê-los lendo apressadamente! Teremos que ler devagar, entender o significado das expressões chaves. São elas que indicam a relação entre um termo e outro que Paulo faz muito bem. A leitura apressada do epistolário paulino é o que faz seus escritos, muitas vezes, parecer sem sentido ou de difícil compreensão.

Cabe a vocês, estudantes das Sagradas Letras, a missão de não querer esgotar Paulo num breve curso como este. Esta é apenas uma porta que se abre. Ler e reler estes escritos (muitos deles os primeiros textos do NT) ajuda a tirar aquela ideia equivocada, tão mal difundida por alguns autores que qualificam o Apóstolo como duro, frio, machista, submisso ao império.

Nós podemos dizer das Cartas o mesmo que o Apóstolo escreveu a respeito dos textos sagrados que tinha em mãos: “Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança”. (Rm. 15:4).

Nossa oração é que o estudo dos escritos paulinos nos ensinem a conhecer melhor a mensagem de Deus e a sermos perseverantes nas dificuldades que vamos encontrar em nossa caminhada! Que nos animem a sentir a consolação que Deus nos dá quando precisaremos de um ombro amigo. Mas, sobretudo, que estas Cartas alimentem a nossa esperança! É a esperança que nos ajuda a sermos melhores, a caminhar, a não desanimar e fazer de nossas igrejas um lugar de encontro, de comunhão e de amor como foram as comunidades que receberam estes textos do apóstolo Paulo!


Prezados Alunos

 

Neste módulo veremos a história da nossa denominação no Brasil e no Mundo. A nossa história é rica e temos um legado muito belo para guardarmos. Os batistas do sétimo dia datam sua origem com o movimento separatista do século XVII, na Inglaterra. Com a ênfase renovada nas Escrituras para a doutrina e a prática livres da igreja, homens tais como James Ockford, William Saller, Peter Chamberlain, Francis Bampfield, Edward e Joseph Stennett concluíram que se observar o Sábado do sétimo dia era uma exigência imprescindível do cristianismo bíblico.

Vamos, portanto, conhecer melhor a nossa própria história?

Pentateuco é o nome pelo qual, tradicionalmente, se conhece o grupo dos cinco primeiros livros do Antigo Testamento. Trata-se de uma palavra de origem grega que pode ser traduzida por "cinco rolos". Os judeus designam, por sua vez, esses livros com o título genérico de torah, termo hebraico que, apesar de ter sido traduzido de forma habitual por "lei", na realidade, tem um significado mais amplo. Torah, de fato, inclui o conceito de "lei" e, até com maior propriedade, os de "guiar", "dirigir", "instruir" ou "ensinar" (cf. Dt 31.9).

Amalgamando temas e estilos, os livros poéticos e sapiências da Bíblia ocupam um lugar de destaque no cânon do Antigo Testamento. A sabedoria que esses escritos didáticos fazem permanente referência, tentando inculcá-la nos seus leitores, é de caráter eminentemente prático, não consiste tanto em um apelo teórico quanto numa exortação para saber viver, ou seja, para que o comportamento da pessoa seja adequado a todas e a cada uma das múltiplas circunstâncias da vida, que cada qual deve desempenhar de maneira correta no papel que lhe corresponde representar no meio da comunidade humana a que pertence.

Assim como o bom artesão possui uma espécie de "sabedoria" que o capacita para esculpir madeira, forjar metal, engastar pedras preciosas ou compor belas telas (cf. Êx 35.31-35), também "o sábio", segundo a perspectiva bíblica, possui a habilidade, a agudeza e as qualidades precisas para enfrentar com êxito as contingências da vida, quaisquer que sejam.

A sabedoria é, essencialmente, um dom de Deus desenvolvido prontamente pela experiência e pela reflexão. Porque a experiência do cotidiano é também, por sua vez, fonte inesgotável de sabedoria para aquele que anda com os olhos bem abertos e não se agrada da sua própria ignorância. Por isso, o sábio observa a realidade, julga aquilo que vê e, finalmente, comunica aos seus discípulos aquilo que ele mesmo aprendeu primeiro do seu relacionamento pessoal com o mundo circundante.

Também percebe-se que a poesia hebraica é um estilo literário que apela mais à imaginação e à emoção humana que à razão. Por isso ela é carregada de subjetivismo humano. Consequentemente a exploração objetiva do texto fica mais difícil.

A poesia hebraica  possui várias características que serão vistas nesta cadeira, pois os textos hebraicos possuem muitos recursos estilísticos que trazem a riqueza do texto mostrando, pelos sentimentos, que a vida pode sim ser vivida e apreciada poeticamente.
Que tenhamos um bom curso!

Neste módulo você conhecerá um pouco mais sobre a história da Igreja Batista do Sétimo dia bem como aprofundará seu conhecimento na declaração de fé da nossa igreja.

Neste módulo veremos Pneumatologia e Hamartiologia. A primeira trata do estudo do Espírito Santo, abordando a natureza da ação e relação que Ele mantém com o universo, o homem e particularmente o cristão. Na doutrina Cristã, o Espírito Santo é a terceira pessoa de Deus na Triunidade divina. Já a segunda é a ciência que estuda o pecado e as suas origens e consequências, ou — se preferível — o estudo sistematizado daquele tema (pecado). O estudo do pecado e sua origem inevitavelmente incorre na questão da natureza do mal, assim como da relação deste com o homem.

Caros alunos

Neste módulo estudaremos "Cristologia". Esse é um dos princípais assuntos da teologia como um todo, pois lida como o que é mais distintivo no Cristianismo: a pessoa de Cristo. Analisaremos a questão da natureza da pessoa de Cristo na pespectiva bíblica e histórica, os estados e ofícios e a obra vicária de Cristo.

Tendo em vista a Cristologia estar intimamente ligada à Salvação, abordaremos também neste módulo a doutrina da salvação "soteriologia".

Bom estudo